terça-feira, 3 de junho de 2014

ADIPOSIDADE, FORÇA MUSCULAR E CAPACIDADE FUNCIONAL EM MULHERES ACIMA DE 50 ANOS DE IDADE

ADIPOSIDADE, FORÇA MUSCULAR E CAPACIDADE FUNCIONAL EM MULHERES ACIMA DE 50 ANOS DE IDADE

Durante o processo de envelhecimento ocorre diminuição da força muscular que está relacionado com a atrofia muscular, principalmente na diminuição de fibras musculares do tipo II. Esta diminuição no processo neuromuscular tem relação direta com a capacidade funcional. Já a adiposidade aumenta durante o processo de envelhecimento e estudos mostram que a atividade física provoca alterações na força muscular e nem sempre está relacionado com mudanças na composição corporal. Diante disto o objetivo do presente estudo é associar a adiposidade com a força muscular e capacidade funcional em mulheres acima de 50 anos de idade. Foram avaliadas 155 mulheres com idade entre 50 e 88 anos (68,44 +7,63 anos) participantes de aulas de ginástica aeróbica 2 vezes na semana pertencentes ao Projeto Longitudinal de Envelhecimento e Aptidão Física de São Caetano do Sul desenvolvido pelo CELAFISCS desde 1997. As variáveis antropométricas analisadas foram a massa corporal, o ìndice de massa corporal (IMC), a adiposidade através da média de três dobras cutâneas (triceps, subescapular e suprailíaca), a circunferência da cintura e a relação cintura-quadril. A força muscular pelo teste de preensão manual e pelo teste de impulsão horizontal e a capacidade funcional pelos testes de equilibrio estático, velocidade de levantar da cadeira, velocidade de andar, velocidade máxima de andar e a agilidade propostos por Matsudo S (2004). Para o teste de normalidade foi utililizado o teste de Kolmogorov Smirnov, a análise estatística utilizada para relacionar as variáveis de adiposidade com a força muscular e capacidade funcional foi a correlação de Spearman e o nível de significância adotado foi de p<0,05. Ao associar a adiposidade com a força muscular, foi encontrada associação significante entre a massa corporal, IMC, adiposidade e circunferência da cintura com a dinamometria, porém de fraca magnitude e positiva. As mesmas variáveis se associaram com a impulsão vertical, porém de baixa magnitude e negativa. Quando associada a adiposidade com a capacidade funcional, foi encontrado associações significantes entre a massa corporal, o IMC e a circunferência da cintura com a agilidade, velocidade de levantar da cadeira e o equilíbrio estático. A relação cintura e quadril não se associou com nenhuma variável. Houve associação entre as variáveis que indicam adiposidade com as variáveis de força muscular e capacidade funcional, porém associações de baixa e fraca magnitude.


Palavras chaves: Envelhecimento, Adiposidade, Força Muscular, Capacidade Funcional

segunda-feira, 5 de maio de 2014

CERTIFICAÇÃO EM AVALIAÇÃO FÍSICA E FUNCIONAL DO IDOSO


O curso é voltado para o profissional que queira aprender a bateria de testes de avaliação física conforme a padronização CELAFISCS para idosos, obedecendo a filosofia do centro, na utilização de materiais de baixo
custo, porém que forneçam resultados fidedignos com rigor científico.
CERTIFICAÇÃO EM AVALIAÇÃO FÍSICA E FUNCIONAL DO IDOSO
PROGRAMA CIENTÍFICO
Conteúdo Teórico:
Protocolo dos testes e medidas que compõe a Avaliação do Idoso: Física e Funcional
Conteúdo Prático: Aptidão Física e Capacidade Funcional
·      Avaliação Antropométrica
·      Peso, Estatura, Circunferências e Dobras Cutâneas.
·      Avaliação da Força Muscular
·      Preensão Manual, Flexão de Cotovelo, Impulsão Vertical, Levantar da Cadeira 30 seg.
·      Avaliação Metabólica
·      Teste de Marcha Estacionária
·      Avaliação da Capacidade Funcional
·      Equilíbrio, Velocidade de Andar (normal e máxima), Agilidade, Levantar da Cadeira 1 vez, Flexibilidade.
Estatística Básica:
·      O uso da informática na interpretação dos dados.
·      Análises Estatísticas dos dados da Avaliação Física.

11-4229-8980 / 4229-9643

quinta-feira, 6 de fevereiro de 2014

Agita Com Ciência


Caminhar e Correr reduz incidência de Câncer Renal
Reduced Risk of Incident Kidney Cancer from Walking and Running
Um estudo realizado por William (2014) recrutou 91,820 sujeitos entre 1991 e 1993 (7.7anos de follow-up de 42.833 sujeitos) e entre 1998 e 1999 (6.4 anos de follow-up de 33.053 sujeitos) como parte do National Runners’ Health Study e entre 1998 e 1999, como parte do importante estudo “National Walkers’ Health Study” (5.7 anos de follow-up de 15.934 sujeitos).
Comparados com pessoas que caminhavam ou corriam abaixo da recomendação (<7.5 MET·h·wk−1), o risco da incidência de câncer foi 61% menor para quem alcançava a recomendação (HR = 0.39, 95% CI = 0.11–1.08, P = 0.07 para 7.5–12.5 MET·h·sem−1), 67% menor para quem se exercitava de uma a duas vezes a recomendação  (HR = 0.33; 95% CI = 0.15–0.72, P = 0.005 para 12.6–25.1 MET·h·sem−1), e 76.3% menor para quem se exercitava  duas vezes ou mais que a recomendação  (HR = 0.24, 95% CI = 0.11–0.52, P = 0.0005 para ≥25.2 MET·h·sem−1). Baseado nesses dados o autor concluiu que tanto a corrida como a caminhada reduzem a incidência de câncer de rim, independente de outros fatores de risco.
Ref: Med Sci Sports Exerc. 2014 Feb;46(2):312-7. doi: 10.1249/MSS.0b013e3182a4e89c


NEUROBIOLOGIA DA ATIVIDADE FÍSICA
SANDRA MAHECHA MATSUDO


O esquema abaixo é uma proposta inovadora dos benefícios da atividade física nos sistemas neural e biológico dos seres humano. Ele resume as principais consequências da atividade física para a saúde, qualidade de vida e felicidade. Este modelo foi proposto pela Dra. Sandra Matsudo, 2014.



Estágio de Formação Básica de Pesquisdor em Ciências do Esporte 2014


Estágio 2014,

Convidamos você para fazer parte do Grupo de Pesquisa que teve 7 Trabalhos Aprovados para apresentação na maior reunião mundial de cientistas e pesquisadores das Ciências do Esporte nos Estados Unidos, a Reunião Anual do Colégio Americano de Medicna do Esporte, que este ano será realizado de 27 a 31 de maio na cidade de Orlando, na Florida. Nesta ocasião o Dr. Victor Matsudo e a Dra. Sandra Matsudo também estaram recebendo o Citation Award, um horaria concedida pelo ACSM aos pesquisadores de destaque no cenário da Ciências do Esporte Internacional. E você também pode passar a fazer parte desta equipe. Venha ser um pesquisador em Ciências do Esporte no Celafiscs em 2014, ano de Celebração de 40 anos da nossa instituição. 




terça-feira, 21 de janeiro de 2014

Projeto de Intervenção de Atividade Física em Instituições de Longa Permanência para Idosos em SCS: A proposta Senior Fit


Em Dezembro de 2011 recebemos uma ligação do Banco Santander, instituição coordenadora do Prêmio Talentos da Maturidade que já estava na sua 13ª edição e na categoria "Programas Exemplares".
Este telefonema deu a oportunidade do CELAFISCS realizar um sonho antigo da Dra. Sandra Mahecha Matsudo que era de prescrever atividade física em idosos que viviam asilados e também acreditava que não podia condenar ninguém ao sedentarismo, sejam idosos saudáveis ou em condições de fragilidade.
Dessa forma este projeto estabeleceu  as novas teorias e conceitos sobre asilos, que desde meados décadas de 60 onde a Santa Casa de Misericórdia de São Paulo como uma das primeiras instituições que registraram ter característica de asilo e hoje por conta das evoluções politicas sobre envelhecimento do Brasil e do Mundo, são chamadas de Instituições de Longa Permanência para Idosos. Essa nova característica visa a instituição tentar cumprir as recomendações do estatuto do idoso, lançado no Brasil em 2003.
Ñeste periodo, a cidade de São Caetano do Sul passava por uma revolução, pois estava para se tornar uma cidade amiga do idoso, e a promotoria passou a fiscalizar cada vez mais as instituições de longa permanência da cidade.

Em 2012 o CELAFISCS iniciou o projeto único no Brasil e no Mundo com essas características e que tinha os seguintes objetivos: aumentar o nível de atividade física, diminuir o comportamento sedentário dos moradores e funcionários de instituições de longa permanência.

Sendo assim o projeto iniciou com uma bateria de testes e medidas da aptidão física e capacidade funcional, nível de atividade física, avaliações psicossociais (Depressão, Estado Cognitivo, Felicidade e percepção de saúde). A bateria de testes seguiu a padronização proposta por Matsudo S. (2010). Após a coleta dos dados iniciou-se o programa de atividades físicas, com base nas recomendações do Colégio Americano de Medicina do Esporte (ACSM, 2009) para idosos. 

Devido ao sucesso o Banco Santander investiu mais um ano no Projeto e o mesmo ainda está em andamento.

Como o CELAFISCS é um centro de pesquisas, parte dos dados foi publicado em congressos internacionais e nacionais, estão sendo produzidos artigos e uma dissertação de mestrado.

Este projeto gerou um capitulo do livro "Exercício, Saúde e Envelhecimento" e teve como autores Sandra Mahecha Matsudo e Rafael Mancini.

Maiores informações da intervenção poderão ter no Curso de Prescrição e Orientação de Exercícios para Idosos.